Páginas

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Largo em frente à Igreja Santo Antonio


Foto que encontrei na internet, mostrando, possivelmente nos anos 60, o cruzamento das ruas Moraes Barros e Boa Morte, em frente à Igreja Santo Antonio, a Catedral. Ao fundo vê-se o Banco do Brasil, numa estrutura que não existe mais, e o Hotel Central. Até 1980 não existia calçadão. Os veículos transitavam e estacionavam no entorno da Praça José Bonifácio, sob a vigilância de um guarda o qual encontra-se à frente, próximo ao semáforo. Engraçado é ver os carros, até então, de ponta, muitos dos quais produzidos no país a partir de 1959. (Edson  Rontani Júnior)

Os Cambitos nas noites piracicabanas



Os jovens da foto também pensaram em mudar o mundo. Assim como pretendiam os Beatles. O tempo passou e ficou a nostalgia. Se o mundo sofreu influencia deles, a história é outra. José Roberto Rebelo, Manoel Sampaio de Mattos Filho, Abdo Maluf Germano e Arthur Rebocho formaram, em junho de 1966 (época da foto), o conjunto Os Cambitos, uma espécie de Beatles cover para animar clubes, bailes, formaturas e os tradicionais bailes de debutantes. Todos eram estudantes do segundo ano do científico do Sud Menucci. Era época da Jovem Guarda na qual muitos conjuntos brasileiros escolhiam nomes em inglês para conseguir um espaço no mercado. Já os “cambitos“ do grupo foi escolhido devido às pernas finas dos seus componentes. A foto foi cedida pela escritora Ivana Maria de Negri França. Um importante legado sobre os bailes de Piracicaba, em especial aqueles realizados no Clube Coronel Barbosa, é o livro “Noites de Pira – O Sonho da Boemia Piracicabana nos Anos 1960-1970” de autoria de Francisco Ferreira “Birimbau”, lançado em 2005 pela editora Komedi.  A foto é de autoria de Cícero Correa dos Santos. (Edson Rontani Júnior)

sábado, 22 de janeiro de 2011

Sotaque caipira do interior pode ter vindo de São Paulo



Puxar o "erre" ao falar palavras como "porta", a característica mais típica do sotaque do interior de Estado de São Paulo, já foi coisa também de paulistano. A pronúncia caipira (fala-se o "erre" como no inglês) teve seu berço na capital e foi propagada para o interior do território nacional pelos bandeirantes. Pesquisas ainda mostram que expressões imortalizadas em músicas de Adoniran Barbosa - como "frechada" - não se devem à imigração italiana: em São Paulo se falava assim muitos antes da chegada dos italianos. Continue lendo ...

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Já tem a coletânea "Você Sabia?" - compre aqui!!!


LivroVocê sabia?
Edson Rontani

Série Biografix nº 4.
João Pessoa: Marca de Fantasia, 2007. 76p. 14x20cm.
ISBN 978-85-87018-76-2
Para adquirir o exemplar envie seu e-mail para erj@merconet.com.br . Valor R$ 26,00 já com postagem incluída.
Edson Rontani nasceu em 1933, em Piracicaba, SP, cidade-berço do famoso Salão Internacional de Humor. Quadrinhista e colecionador da Nona Arte, começou seu hobby nos anos 1940, tempo em que as histórias em quadrinhos enfrentavam preconceitos e rejeição da sociedade. Cartunista, realizou os primeiros "salões de caricaturas" em Piracicaba nos anos 1970, precursores do atual Salão Internacional de Humor. Chargista, deu forma ao personagem-mascote do XV de Piracicaba, o Nhô Quim, criando charges antes e após os jogos do time de futebol, reproduzidas na imprensa local por mais de quarenta anos. Fanzineiro, teve a idéia de realizar intercâmbios com fãs de quadrinhos e criar uma publicação amadora do gênero, antes de qualquer fanzine brasileiro existir.

Em 1981, o trabalho de Rontani estava consolidado e reconhecido entre os leitores dos jornais em Piracicaba. Nesse ano, o artista cria Você Sabia?, seção de curiosidades ilustradas, para o novo suplemento infantil de O Diário. Inspirado em seções similares das revistas e suplementos infantis de sua infância (O Tico Tico entre elas), Você Sabia? mostra a capacidade de Rontani como ilustrador e redator. Cativava o leitor infantil pelo humor dos desenhos. E conquistava os adultos pelo "conteúdo almanaque" dos textos, sem perder o enfoque didático.

Inicialmente, Você Sabia? não tinha um formato definido em O Diarinho. Compunha-se de dois ou três quadros, dispostos de forma variável no suplemento. Quando o tablóide infantil transformou-se em página semanal, Você Sabia? passou a ocupar um terço do espaço, no rodapé, até 1988. No ano seguinte, o Jornalzinho, tablóide infantil do Jornal de Piracicaba, passa a publicar a seção, agora em página inteira. Rontani produziu Você Sabia? até 1997, ano de seu falecimento. Por iniciativa de seu filho Edson Rontani Júnior, a página de curiosidades voltaria ao Jornalzinho, todas as semanas, a partir de 2003.

Em cinqüenta anos de atividades no humor gráfico, Edson Rontani encontrou raras oportunidades de ver seu trabalho reunido em livros ou coletâneas, a não ser em iniciativas editoriais irregulares e esparsas, como no álbum Charges, edição do autor em vários volumes, reunindo os primeiros desenhos, feitos para o Diário de Piracicaba na segunda metade da década de 1950. No monumental A História do XV , editado em 1985 pelo historiador e jornalista Rocha Netto, as charges do Nhô Quim ilustram os grandes momentos do time. No livro-coletânea Os Quinze de Piracicaba, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, em 2003, Rontani é um dos artistas enfocados. Sua importância como abre-alas do humor local é lembrada em "A cidade onde o peixe ri: um esboço da história do humor gráfico em Piracicaba", ensaio que abre a coletânea.

A edição de Você Sabia? pela Marca de Fantasia apresenta o trabalho de um artista raramente reconhecido além dos limites de sua cidade-natal, porém com qualidades que o colocam entre os grandes cartunistas e quadrinhistas brasileiros. Que este livro seja o primeiro de uma longa série, trazendo todas as facetas artísticas do genial Edson Rontani. Érico San Juan

Família Romano


Na foto, a família Romano, sendo os pais Caetano e Maria Azzini. Eles aparecem com os filhos Antonio, Elisa e Américo. Anos mais tarde, nasceriam Elza, Pedro, Hélio e Henrique. Caetano Romano faleceu em 1944 recebendo uma rua com seu nome no Bairro Alto. Maria Azzini faleceu em 1997, sendo homenageada com uma das alas na Santa Casa de Piracicaba. Américo faleceu em 1992 e Elisa em 2007. Antonio Romano, Comendador pela Santa Sé, instalou a Oficina Mecânica Romano, situada à rua Prudente de Morais em prédio demolido em frente ao Banco do Brasil, esquina com a rua Santo Antonio. Passou a empresa para a rua Governador Pedro de Toledo onde hoje se encontra a Cardinalli Presentes e posteriormente inaugurou a Retífica Romano S/A à rua São José nº 1122, entre as avenida Armando de Salles Oliveira e rua José Pinto de Almeida. A empresa encerrou suas atividades em 1978 de forma espontânea. Antonio Romano casou-se com Francisca Querubim e tiveram os filhos Maria Regina, Lúcia Helena, Ana Maria e Maria José. Américo casou-se com Irene Augusti e tiveram como filhos Waldemar, Regina Maria, Nair, Américo Júnior e Maria Irene. O comendador Romano faleceu em 1983 e Piracicaba ainda lhe deve reconhecimento pela dinâmica e eclética personalidade em diversas instituições, como o Lar Franciscano de Menores, Lar Coração de Maria, Santa Casa de Misericórdia, E. C. XV de Novembro, Clube Cristóvão Colombo e muitos outros. (Edson Rontani Júnior)

sábado, 15 de janeiro de 2011

A Musical




Registro histórico do comércio de Piracicaba. Foto provavelmente dos anos 1950, encontrada no fundo do baú de um de seus tios pela escritora Ivana de Negri França. “A Musical”, da família Pousa Goudinho, teve diversas lojas em Piracicaba. Ainda hoje existe com uma unidade situada à rua XV de Novembro. Chegou a vender de tudo : eletroeletrônicos, utensílios para o lar, especializando-se nos anos 1980 na venda de discos LP e fitas K-7. Você pode enviar sua foto para publicar na coluna pelo e-mail erj@merconet.com.br . (Edson Rontani Júnior)

Enchente do Rio Piracicaba - janeiro de 2011




quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Piscina infantil do Clube de Regatas


Foto tirada no final da tarde do sábado, 8 de janeiro de 2011, mostrando a piscina infantil do antigo Clube de Regatas, área hoje ocupada pela Torres Turismo. O muro caiu, situado na rua Coronel Barbosa, acima da avenida Beira Rio, e inundou toda a piscina.

sábado, 8 de janeiro de 2011

Zé Risonho



Conheci Paulino Fernandez da Silva na década de 1990. O popular “Zé Risonho” é uma figura carismática de Piracicaba. Diz conhecer Mazzaropi antes da fama e ter atuado na “Discoteca do Chacrinha”. Foi tema de um curta-metragem intitulado “O Sonho de Zé Risonho”. Seu nome foi dado pelo sorriso constante motivado inclusive pela aproximação com Luiz Gonzaga. Participou de filmes dirigidos por João Batista de Andrade e Ozualdo Candeias. Natural de Presidente Venceslau, foi em Piracicaba que fincou suas raízes. Na foto que ilustra esta coluna, a reprodução de um compacto de 1975 no qual ele apresentou, ao lado de Maria Fulô, quatro canções, entre elas “Lampião de Gás”. Saudade de um tempo que não volta mais. (Edson Rontani Júnior)

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Atestado de Prudente de Moraes


Atestado escrito do próprio punho sobre idoneidade de Prudente de Moraes. Prudente José de Morais Barros, bacharel em ciências sociais e jurídicas pela Faculdade de S. Paulo, e Presidente da Câmara Municipal da cidade da Constituição (hoje Piracicaba)
Atesto, sob a fé de meu cargo, que este município e o município de Capivary não existem divisas (...) claras. 
Prudente de Morais assinou o manuscrito em 6 de maço de 1865.