Páginas

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Grande Oficial


Foto estampada na capa do LP “Grande Oficial”, mostrando a Corporação Musical Operária de Piracicaba no que aparenta ser a escadaria da Igreja Bom Jesus do Monte. O LP foi lançado pela Recital Discos Editora e não estampa sua data de lançamento, provavelmente meados dos anos 1960. Nele, oito músicas sob a regência do Maestro Oswaldo Pettermann, com músicas do próprio Pettermann, Erotides de Campos e B. Almeida Júnior. O título do disco era em homenagem ao Grande Oficial Mário Dedini. “Dirigida com dedicação inexcedível pelo maestro Oswaldo Pettermann, que sucedeu, por sua vez, a seu pai, o maestro João Pettermann, na regência da Banda, essa Corporação Musical é das mais afamadas do interior do Brasil, enfrentando tanto as partituras populares como as de música erudita, com igual maestria”, escreveu Losso Netto na contra-capa. Importante registro histórico sobre esta corporação musical, o livro “O Passar da Banda”, foi lançado em 2006 pelo Instituto Historio e Geográfico de Piracicaba, contando os 100 anos da União Operária. Veja conteúdo total da contra-capa do disco e fotos em alta resolução em http://fotoeahistoria.blogspot.com. (Edson Rontani Júnior – erj@merconet.com.br)

sexta-feira, 22 de abril de 2011

Sino das Carmelitas volta a tocar


Nhô Quim na Gazeta Esportiva



Charge de Nino Borges publicada em “A Gazeta Esportiva” de 29 de maio de 1949. Nesta data, o XV de Novembro de Piracicaba estreava na Primeira Divisão do Futebol Paulista enfrentando o Palmeiras. A partida ocorreu a tarde no Pacaembu e o alvinegro local era aguardado com grande expectativa pela elite da pelota, uma vez que foi campeão do Torneio Início além de Campeão da Lei do Acesso que vigorava a partir deste ano. O saudoso Rocha Netto, de posse de uma charge de Edson Rontani (então com 16 anos), levou o personagem a Nino Borges que copiou os traços e o estampou conforme vemos aqui. O nome “Nhô Quim” foi batizado por Rocha Netto como diminutivos das palavras Senhor Quinze. Assim, nosso time é apresentado às demais mascotes do futebol, representando, entre outros, o São Paulo, o Juventus, o Noroeste, Santos e Portuguesa.  (Edson Rontani Jr. – erj@merconet.com.br)
Correção - Na verdade, confundi o mascote que aparece com chapéu de ferroviário com o Noroeste. O personagem pertence ao Nacional Atlético Clube, da Lapa, capital paulista. Obrigado aos olhares mais atentos...

sábado, 16 de abril de 2011

Santo silêncio !


Carmelitas em Piracicaba são proibidas de tocar sino
Saiu hoje no jornal :
As irmãs carmelitas de Piracicaba não podem mais contar com o toque do sino, atividade que elas praticam há 60 anos no município. A informação é do vereador Laércio Trevisan Júnior.
De acordo com ele, uma ação liminar movida por um vizinho do convento, que se mudou há pouco tempo para o bairro, proibiu que o sino seja tocado a qualquer hora do dia. 'O indivíduo, aposentado, diz que o sino incomoda', afirmou o vereador.
A pessoa que move a ação contra à Ordem não quis ser identificada, assim como a Cúria Diocesana de Piracicaba que preferiu não dar depoimento a respeito do caso. O advogado responsável pela diocese também não foi encontrado.
Trevisan garantiu que o Pelotão Ambiental foi chamado no local e a medição foi feita durante um dos dez toques diários do sino. Segundo ele, o total foi de 57 decibéis. A Lei do Silêncio permite 60 dB. 'Mesmo o número sendo baixo, algum juiz autorizou a liminar, mas a Cúria deve entrar com um processo contra', esclareceu o vereador.
Os moradores vizinhos ao convento, assim como os frequentadores das missas diárias, estão fazendo um abaixo-assinado contra a liminar. A intenção é mostrar ao juiz que o sino não atrapalha em nada.
A Lei n° 13.190/01 e 13/287/02 diz que caso seja constatada a poluição sonora, a igreja será notificada para que num prazo de 90 dias faça a adequação acústica. Após esse período a igreja poderá receber novas vistorias com medições e ser autuada caso o ruído esteja acima dos decibéis permitidos por lei.

quinta-feira, 14 de abril de 2011

Blota Júnior e os Cambitos



Blota Júnior foi advogado formado pela Faculdade de Direito da USP. Mas colecionou outras credenciais. Trabalhou na Rádio Record e Rádio Jovem Pan. Foi vice-presidente da Caloi, fabricante tradicional de bicicletas, além de deputado estadual por três mandatos e deputado federal por uma legislatura. Foi o criador e apresentador oficial do Troféu Roquete Pinto, em conjunto com a esposa Sonia Ribeiro. Na foto, tirada em meados da década de 1960 ele aparece ao centro do conjunto piracicabano Os Cambitos, que, por sua vez, tiveram apoio da Caninha Tatuzinho para uma apresentação televisiva na capital paulista. Blota está ladeado por José Roberto Rebelo, Manoel Sampaio de Matos Filho (à esquerda), Abdo Maluf Germano e Arthur Reboccho. (Edson Rontani Júnior – erj@merconet.com.br)

Cícero Correia dos Santos - avatar além do seu tempo


Avatar muito antes de existir esta denominação, Cícero Correa dos Santos personificava o Nhô Quim nos anos 60, não apenas nas partidas do E. C. XV de Novembro, como também nas festividades tradicionais de Piracicaba. Esta foto, tirada em fevereiro de 1968, mostra a personagem em carne e osso, na qual Cícero se espelhava para animar as pessoas. E olha que isso exigia muita coragem, demonstrada talvez por sua paixão pelo alvinegro local. O Nhô Quim surgiu em 1948, quando o time subiu pela primeira vez para a divisão principal do futebol paulista. Por quase cinco décadas desfilou pelos jornais da Noiva da Colina, além de estampar flâmulas, adesivos e panfletos. Cícero, renomado fotógrafo da terrinha, deixou sua marca não apenas na arte de “tirar retratos” como também por ser um dos primeiros avatares da contemporaneidade local. (Edson Rontani Júnior)

domingo, 3 de abril de 2011

Rudyard Kipling em Piracicaba


Rudyard Kipling foi jornalista, aventureiro e autor dos mais belos livros escritos na Inglaterra no final do século retrasado. São de sua autoria contos como “O Homem que Queria Ser Rei”, “Gunga Din” e “O Livro da Selva”, este último mais conhecido por sua versão intitulada “Mogli”, desenho animado de Walt Disney feito em 1969. Kipling viveu de 1865 a 1936 alternando-se entre sua Índia natal, sua Inglaterra colonizadora e o mundo, como grande curioso. Recebeu o Nobel da Literatura em 1907. Tão notável personalidade veio ao Brasil o que rendeu a publicação, em 2006 de suas memórias no livro “As Crônicas do Brasil”, de sua própria autoria, lançado de forma muito tardia pela Editora Landmark. A obra nada mais era que um diário cujos originais foram veiculados pelo jornal Morning Post, durante sua estada em nosso solo de 29 de novembro a 20 de dezembro de 1927. Neste período, Kipling visitou Piracicaba. Pena que no livro ele não fale nada sobre a “Noiva da Colina”. O fato foi devido à uma febre amarela contraída no Mato Grosso. Ainda em São Paulo se recuperava da doença. Tão nobre personalidade foi recebida no Palacete Luiz de Queiroz, lugar histórico, que ao longo das décadas 50 a 71 do século XX, provocou diversas iniciativas de desapropriação pelo poder público, todas sem sucesso. O local foi de Luiz de Queiroze também de Buarque de Macedo, vendendo-a em seguida, á Rodolfo Miranda, ministro da República e proprietário da fábrica de tecidos Boyes. (Edson Rontani Júnior)