Páginas

domingo, 17 de julho de 2016

Fernando Febeliano da Costa


Coronel Fernando Febeliano da Costa

Nasceu no dia 16 de outubro de 1862, na cidade de Sorocaba.

Desde as primeiras letras estudou com professores particulares.

Trabalhava com seu pai, mas não satisfeito com o trabalho, montou por sua conta um moinho de fubá e milho. Com 22 anos de idade, começou a comprar café e, com a valorização do mesmo, fez grande capital e assim comprou a fazenda Boa Esperança, no bairro Pau D′Alho.

Em 1887 resolveu fazer uma viajem para Portugal, Espanha, França e Alemanha.

Nesta temporada na Alemanha, despertou a idéia do curso industrial para orientação prática de indústria e com a possibilidade de um curso superior logo após o curso industrial.

Em 1903 entrou como procurador da Câmara e depois eleito vereador, foi para Prefeito, ali permanecendo de 1917 a 1925, com a interrupção de 2 anos, onde ficou na fazenda Florets de sua propriedade, cuidando apenas de seus interesses.

Faleceu em São Paulo no dia 10 de maio de 1940, sendo seu corpo transportado para a cidade de Piracicaba, onde está sepultado.

A Prefeitura quis enterrá-lo com as honras de Prefeito, mas a família não aceitou.

A Escola Industrial ao ser instalada foi a concretização de um antigo sonho do “Coronel Fernando Febeliano da Costa”. Homem inteligente, idealista e arrogado por três vezes prefeito de Piracicaba, a cerca de mais de 18 anos, desde 1905 a 1925, parando em pequenos intervalos para atender aos seus interesses particulares.

A idéia de instalação de uma Escola Industrial surgiu quando Fernando Febeliano da Costa, ainda jovem, em uma viajem a Europa, visitava demoradamente a Alemanha, país em que um de seus irmãos estudava Engenharia. Lá, ele teve a oportunidade de conhecer as maravilhosas escolas industriais da época. Foi nessa ocasião que despertou o espírito prático de Fernando Febeliano da Costa e surgiu a hipótese da instalação de uma Escola Industrial no Brasil, vislumbrando aí também a hipótese de trazer para a nossa terra um curso superior, que seria a complementação do curso, industrial médio.

Estávamos no fim da década de 1880, o Brasil era jovem e estava em grande fase de desenvolvimento. Precisava de um ensino profissionalizante. Os jovens precisavam de uma profissão, e de profissão que lhes valesse alguma coisa.

Voltando de sua viajem, cheio de esperanças, Fernando Febeliano da Costa, lutou para implantar no Brasil, mais precisamente em Piracicaba, o ensino industrial.

Depois de muita luta conseguiu fundar uma Escola Industrial, com a finalidade propícia, na ocasião, de formar o operário qualificado para a indústria carente de mão de obra especializadas. Porém eram muitas as dificuldades e os anos foram se passando. Só no dia 4 de maio de 1951, onze anos após a sua morte, foi instalada a Escola Industrial em Piracicaba levando o seu nome como um agradecimento do povo piracicabano.

Quanto a sua administração pública, para algumas pessoas, Coronel Fernando Febeliano da Costa é um nome para ser lembrado na memória: foi um dos maiores prefeitos de Piracicaba. Suas atuações políticas vão desde continuações de obras iniciadas por outros políticos até a urbanização de regiões pouco habitadas da cidade.

Coronel Fernando Febeliano da Costa foi cinco vezes eleito prefeito de Piracicaba, sendo as primeiras vezes de 1905 até 1913 e, depois, de 1917 a 1923. No início de sua candidatura, a cidade era extremamente precária, existia um alto índice de doenças, causadas por falta de saneamento e excesso de sujeira. Dr. Paulo de Moraes, ao ver essa situação, inicia a construção de canais e esgotos, a fim de dar uma melhor condição sanitária para a população local. Essa obra foi apenas terminada por Febeliano. Além disso, Fernando Febeliano da Costa mandava limpar calçadas, para que a cidade se mostrasse sempre limpa e receptora dos visitantes.

Entre os anos de 1905 e 1910 houve uma grande demanda de carros para a cidade, o que gerou um problema com o trânsito local (vale lembrar que a cidade possuía a área compreendida, hoje em dia, entre a Avenida Armando Salles e o Rio Piracicaba). Febeliano, então, cria exames de motorista e as habilitações para se guiar em Piracicaba, acabando com os problemas de indisciplina no trânsito da cidade.

Coronel Fernando Febeliano da Costa também foi um grande responsável pela urbanização da cidade. Fora dos limites da cidade encontrava-se o “encosto” (atual Paulista), e o “Largo da Forca” (atual Largo da Santa Cruz). Com a expansão urbana, a cidade começa a invadir esses espaços. Para que não houvesse uma desordem nesse crescimento, Fernando Febeliano da Costa compra uma propriedade chamada chácara Dapport, faz um loteamento e reserva essa área para a cultura. Em volta desse local, começa a surgir o bairro Cidade Alta. O “encosto” também se urbaniza e cria-se a Paulista. Ao subir a Rua Moraes Barros, cria-se tamb“encosto”m, um caminho que levava à ESALQ.

Uma das obras de maior importância de Febeliano foi o Matadouro, construído na região do Algodoal. O Matadouro, além de urbanizar a região, tinha a função de processar as carnes, prática antes realizada na frente das casas. Com isso, preveniram-se muitas doenças, além de fazer movimentar a economia local, pois o Matadouro era visitado por pessoas de todo o estado.

Fernando Febeliano, no seu contínuo esforço pelo embelezamento da cidade, fez magníficos jardins, dentre os quais se destacavam: o do Grupo Escolar Moraes Barros, o do Largo da Ponte-nova e o da Praça do Gavião (atual Praça Almeida Júnior, que abriga a Pinacoteca), entre as ruas São José e Morais Barros (antiga Rua Direita), cuja beleza era suprema em relação às outras.

Excluindo todas essas obras de suma importância, algumas de menor interesse, porém que ajudaram em muito o desenvolvimento municipal na época, foram feitas como o calçamento da Avenida Independência, a construção da ponte que faz divisa coma Vila Resende e do prédio antigo da cadeia. Também em seu mandato, a câmara mantinha algumas ordens públicas, como três escolas, um fiscal de limpeza pública, a manutenção de mais de 200 km de estrada, que sempre se encontrou em estado irrepreensível, e, ainda, ajudava a Santa Casa de Misericórdia. Sem citar as melhorias na iniciativa privada, que redundaram em benefício público. Tudo isso tributando moderadamente a população.

Como é possível observar, Coronel Fernando Febeliano da Costa foi um excelente administrador municipal, que conseguiu urbanizar a cidade sem exageros tributários e de modo que esta se expandisse ordenadamente. Além disso, contribuiu muito para a economia local, com a construção do Matadouro e o embelezamento da cidade. (fonte: http://www.etepiracicaba.org.br/patrono.php / acesso em 28/05/2016)

sábado, 28 de maio de 2016

Museu Prudente de Moraes



Formado bacharel pela Academia de Direito de São Paulo, no Largo São Francisco, em 1864, Prudente de Moraes fixou residência em Constituição, atual Piracicaba. Sua vida política foi marcada por mandatos em esferas municipais, estaduais e principalmente federais. De 1894 a 1898 tornou-se o terceiro Presidente da República do Brasil, o primeiro Presidente Civil eleito pelo povo. Após o término de seu mandato presidencial, retornou a Piracicaba, local onde advogou, chefiou as articulações do Partido Republicano Dissidente e faleceu, em 03 de dezembro de 1902, vítima de tuberculose.  

A casa adquirida inacabada e concluída em 1870 foi cenário de inúmeros encontros políticos do conturbado período da Proclamação da República. Constava no lote junto à edificação, o seu gabinete e um grande quintal com jardim e pomar com frondosas jabuticabeiras mandado plantar por Prudente de Moraes. Este edifício abrigou após a década de 1930, a Faculdade de Odontologia Prudente de Moraes, o Grupo Escolar Dr. Prudente, a Delegacia de Ensino e, em 1957, o Museu Histórico e Pedagógico Prudente de Moraes. Atualmente o prédio se encontra tombado a Nível Municipal (CODEPAC), Estadual (CONDEPHAT) e Federal (IPHAN). Além do edifício, o acervo correspondente a Coleção Prudente de Moraes encontra-se também tombado pelo IPHAN.

A antiga residência do Primeiro Presidente da República é atualmente o Museu Histórico e Pedagógico Prudente de Moraes, passou por recuperação da estrutura física e por uma nova reestruturação museográfica e museológica contemplando a vida pública, política e privada de Prudente de Moraes e a História de Piracicaba retratando importantes fases do município, sua formação, mudanças econômicas e sociais decorrentes do grande desenvolvimento da lavoura e da indústria.

O acervo é eclético reunindo objetos e mobiliários que pertenceram a importantes figuras piracicabanas entre elas Prudente de Moraes, Luiz de Queiroz, João Sampaio, Barões de Serra Negra e de Rezende, Sud Mennucci, Cobrinha, Fabiano Lozano. Há também grandes obras de artistas plásticos piracicabanos e um variado acervo iconográfico e textual.

(Fonte: Site Museu Prudente de Moraes, Piracicaba)

domingo, 24 de abril de 2016

Cerimônia marca os 113 anos da Guarda Civil de Piracicaba


Os 113 anos de fundação da Guarda Civil de Piracicaba serão comemorados na próxima segunda, dia 25/04. A cerimônia está marcada para às 9h, na sede de corporação, na rua Benedito Bonzon Penteado, 645, no bairro Verde, com a presença do prefeito municipal, Gabriel Ferrato, do comandante da corporação, capitão Silas Romualdo, e demais autoridades. Na ocasião será entregue o novo prédio que abriga a academia e arquivo, e feita a denominação da academia com o nome de Guarda Civil João Miguel Arvaje, falecido em 2014 (leia abaixo). A data também será marcada por homenagem ao Dia Municipal do Guarda Civil e terá a tradicional exposição de fotos antigas.

O INÍCIO - A história da Guarda Civil de Piracicaba teve início no começo do século passado. Piracicaba já convivia com a problemática da violência causada pelo rápido crescimento populacional que se instalava no município. De acordo com o blog do SindGuarda (Sindicato dos Servidores Guarda Civil Municipal de Piracicaba), em 25 de abril de 1903, a Câmara Municipal, então presidida por Paulo de Moraes Barros, apresentou um projeto de criação do Corpo de Guarda e Polícia Municipal, baseado no artigo 58 da Lei n. 16, de 13 de novembro de 1891.

Entre 1905 e 1913, quando o município tinha como prefeito Ricardo Ferraz de Arruda Pinto, foi criada a primeira diretoria. No final do ano de 1956, sob a gestão de Luciano Guidotti, é criada a já idealizada Guarda Noturna Municipal de Piracicaba que, em novembro de 1969, virou Guarda Municipal. O prefeito era Cássio Padovani, que nomeou como presidente da corporação o major José Autgno Ferreira e comandante o primeiro sargento de Polícia Militar Frederico Ciappina Netto.

Comandaram a Guarda Municipal, na sequência, o capitão Alfredo Mansur, Antonio Herculino Correia e Antônio Ricardo Sanches. Em 1990, a GM é transformada em Guarda Civil (GC) e passa a ter, unicamente, um comandante na hierarquia, um subcomandante e um quadro de graduados e guardas. Comandaram a Guarda Civil o primeiro tenente Paulo de Castro, novamente Antônio Ricardo Sanches. O capitão Silas Romualdo assumiu em 2005 e permanece no cargo desde então.

“É uma instituição sólida e necessária para cuidar do patrimônio municipal e também da segurança das famílias piracicabanas. Os investimentos em pessoal e material têm possibilitado o combate à violência e à criminalidade em nosso município”, observa Romualdo.

De acordo com o comandante, nos últimos anos aconteceram diversas inovações estruturais, como a criação do Grupamento Escolar, Pelotão Ambiental, Pelotão Feminino, Grupamento Ciclístico, Grupamento Rural, Base Móvel, Central de Monitoramento Eletrônico, Grupamento Motociclístico e Canil, Grupo de Apoio, Rádio Patrulhamento e Central de Monitoramento e Telecentro. A Guarda Civil do Município de Piracicaba possui efetivo de 420 componentes (69 feminino e 351 masculino).

segunda-feira, 4 de abril de 2016

Site homenageia 60 anos do Basquete do XV de Novembro de Piracicaba

O vereador Pedro Kawai e Pecente

A Associação de Basquetebol Masculino/Feminino XV de Piracicaba lançou oficialmente na noite de 30 de março de 2016, a Exposição Fotográfica Digital assinada pelo curador, professor e historiador Antonio Carlos Zinsly de Mattos que montou um belo arquivo histórico com textos e fotos inéditas dos 60 anos do basquetebol do XV e dos 110 anos da chegada do basquetebol em Piracicaba.

O evento foi realizado no Auditório da Uniodonto e contou com a presença do Secretário Municipal de Esportes, Lazer e Atividades Motoras de Piracicaba, João Francisco Rodrigues de Godoy, o Johnny, o Vereador Pedro Kawai, o Reitor da Unimep, Universidade Metodista de Piracicaba, o Professor Gustavo Jacques Dias Alvim, Maurício Petrocelli, responsável pelo Departamento de Marketing da Unimed Piracicaba, o Presidente da Uniodonto Piracicaba, Dr. Cláudio Roberto Zambello, o Presidente do IHGP (Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba), Vitor Pires Venkovsky e de várias outras figuras ilustres da sociedade piracicabana e representantes de várias gerações do basquetebol do XV de Piracicaba.

Secretario Municipal de Esportes de Piracicaba, Johnny e Hilton Dupart Nascimento,

A diretoria da Associação presidida por Denismar Antonio de Jorge prestou homenagens a vários ex-atletas e ídolos que defenderam a história do alvinegro piracicabano em seis décadas de tradição esportiva. Os homenageados foram Pedro Vicente Fonseca, o Pecente, Rubens Leite do Canto Braga, Antonio Travaglini, Mindaugas Petras Grokala Gorauskas e Hilton Dupart Nascimento.

Em seu discurso durante a solenidade, Denismar agradeceu a oportunidade de ter a chance de homenagear os ex-atletas, pessoas de grande importância para a história do basquetebol do XV de Piracicaba. “Fico grato por ter sido em nossa gestão a realização de uma homenagem de tamanha grandeza.” – disse o presidente.

O curador da Exposição Digital, o professor e historiador Antonio Carlos Zinsly de Mattos destacou a satisfação em apresentar o registro histórico do basquetebol do XV com histórias e fotos produzidas a partir da vida, dedicadas a todos aqueles que a escrevem com dedicação e muito treino, isso tudo pertence ao povo. “O esporte está no meu sangue e faz parte da maior parte da minha própria história. Esses registros precisam ser divulgados para que nunca sejam esquecidos.” – enfatizou Zinsly.

A solenidade faz parte do calendário das comemorações pelos 60 anos do basquetebol XV de Piracicaba, completados no ano de 2015 e aos 110 anos de prática da modalidade em nosso município, comemorados em 2016.

A Exposição Digital
 
Idealizada pela Diretoria da Associação de Basquetebol XV de Piracicaba e montada a partir do acervo do historiador e pesquisador, Professor Antonio Carlos Zinsly de Mattos que é o curador desta mostra digital, a entidade esportiva apresenta oficialmente a homepage www.expobasquetexv.com.br.

A página traz histórias que contam o início do basquetebol em Piracicaba, o surgimento da equipe do basquetebol XV de Piracicaba com suas glórias, títulos mundiais e sul-americanos e a importância do alvinegro no cenário esportivo mundial.

Através de fotos inéditas das equipes e atletas de várias épocas, a homepage é fonte indicada para pesquisa e leitura obrigatória aos apaixonados pelo esporte de nossa querida Noiva da Colina.


sábado, 19 de março de 2016

José de Alencar em Piracicaba


   José de Alencar esteve em Piracicaba, residindo uma temporada na Usina Monte Alegre, onde criou a base para seu livro "Til", publicado em 1872. O título, aliás, é uma homenagem à forma sinuosa do Rio Piracicaba.

  "Til" foi a terceira obra de Alencar e tem sua atuação passada no interior paulista em 1864. Nesta publicação, ele fala da vida mansa do interior paulista. Piracicaba é citada no livro, onde o personagem Luís Galvão e sua família participam da festa do Congo.

   Sobre o livro ...
  Características: Grande domínio da língua, procura, por meio da literatura, descobrir o Brasil no tempo (passado e presente) e espaço (urbano e regional). Nesse sentido, escreve romances históricos, indianistas, urbanos e regionalistas. Til pertence ao grupo de romances regionalistas. Excesso de comparações, linguagem excessivamente adjetivada, vocábulos preciosos. Narrador em 3ª pessoa, mas algumas vezes o autor interfere na narrativa, comentando aspectos em 1ª pessoa. Cenário: século XIX, na fazenda Palmas, às margens do rio Piracicaba, entre Campinas e Santa Bárbara. Coincide com a expansão da cultura cafeeira na região.

   Enredo: A fazenda Palmas é o cenário da trama e localiza-se às margens do rio Piracicaba. Seu proprietário, Luís Galvão, é casado com D. Ermelinda e tem dois filhos, o casal de gêmeos Linda e Afonso. Também mora na casa um jovem que tem problemas mentais, Brás, sobrinho do proprietário. Outras duas personagens jovens são necessárias para a formação de pares: Berta e Miguel. Como se trata de um romance romântico, são necessários os antagonistas, representados por Jão Fera e Barroso, e a personagem ligada a um mistério, no caso, Zana, escrava ensandecida. Dois eixos constituem o enredo: a formação do par amoroso - Linda e Miguel - e o eixo do mistério que envolve a personagem Berta, que é chamada de Til por Brás. Planejam-se emboscadas e incêndios contra a casa-grande, mas sempre existem pessoas que se interpõem para socorrer Luís Galvão, quer seja Berta, que o salva da emboscada, quer seja Jão, que o socorre no incêndio. Todos os incidentes têm por mandante Barroso, que busca vingança à traição sofrida no passado, envolvendo Besita, mãe de Berta. Os nós vão sendo desfeitos: Besita era casada com Ribeiro, que, após ter assassinado a esposa, mudou o nome para Barroso. A beleza de Besita atraíra a atenção de dois amigos: Jão e Luís Galvão. Jão fora verdadeiramente apaixonado pela moça, já Luís procurara somente uma aventura. O marido de Besita tinha partido para Itu. Certa noite, Zana anunciou o retorno de Ribeiro. Besita se entrega, então, a Luís Galvão, pensando que ele fosse seu marido. Dessa união nasceu Berta. Luís não assumiu a criança e Ribeiro, enciumado, matou Besita. Zana, que tinha presenciado o crime, enlouqueceu e a criança foi salva por Jão e criada por Nhá Tudinha, mãe de Miguel. Era desejo de Ribeiro acabar com a vida de Berta e assim lavar a sua honra. Volta para executar sua vingança, mas é assassinado por Jão, que se entrega à polícia. Após alguns outros intrincados momentos, Luís Galvão reconhece Berta como filha, convida-a para morar na casa, mas a moça acha que seu lugar é ao lado dos que sofrem. Miguel e Linda partem para São Paulo.

   Leia mais sobre o envolvimento de Piracicaba na vida de José de Alencar, clicando aqui.

domingo, 13 de março de 2016

Máquina de escrever





* por Edson Rontani Júnior, jornalista

   Recentemente, me deparei com um equipamento, que em muito participou de minha vida, o qual pensei estar legado ao passado. Fui ao Posto Fiscal do Estado, situado no antigo Fórum da rua do Rosário e lá encontro uma máquina de escrever sobre uma bancada. Por incrível que possa parecer, ela estava acorrentada ao apoio da bancada. Pensei comigo que, por ser peça de museu, pudesse ser cortejada pelo amigo do alheio ou, quem sabe, já possua um valor inestimável que faça crescer os olhos diante de tal preciosidade composta por metais e plástico.
   Noutro dia, visitei um despachante e notei que pelos menos quatro máquinas de escrever estavam lançadas ao longo de um extenso balcão. Bom … a partir daí, mudei meu conceito. As máquinas de escrever ainda fazem parte de nossas vidas!
   Ao longo do século passado, as máquinas de escrever eram essenciais não apenas no mundo corporativo, como também nas correspondências, nos acordos comerciais, nos trabalhos escolares na intenção de substituir o manuscrito e dar um toque sofisticado aos documentos.
   Confesso que faço parte de uma geração que ser orgulhava em ganhar uma máquina de escrever de presente no Natal. Saber datilografia era um passo para reconhecimento profissional. Era exigência de mercado. Diploma de datilografia e carteira de habilitação eram passaportes para iniciar uma profissão.
   Quando a informática começou a tomar volume, nos anos 1990, a máquina de escrever foi perdendo espaço para os desktops, scanners e impressoras. A máquina de escrever podia ter a habilidade de uma impressora com a utilização do papel carbono (daí o CC – cópia carbono – dos e-mails), sem a possibilidade de corrigir o que se escrevesse errado. O surgimento do corretivo foi uma dádiva aos datilógrafos que não tinham de, digitar, digo, datilografar tudo de novo.
   À máquina remete qualquer um ao cheiro de graxa, aos dedos sujos por trocar sua fita vermelha e preta e aos palavrões quando os caracteres enroscavam. Aliás, o modelo qwert é um padrão que precisa ser repensado. As teclas da máquina de escrever não seguiam a ordenação alfabética pois quando se datilografava, o mecanismo iria proporcionar homéricas enroscadas dos tipos. Aí criou-se este sistema, hoje propagado como qwerty (com Y ao final), nulo quando digitamos com os polegares nos smartphones.
   Aliás, a máquina teve influência do padre brasileiro Francisco João de Azevedo, que a apresentou em 1861. A história relega o invento ao exterior, onde foi patenteado primeiro. Algo como ocorreu com os irmãos Wright e Santos Dumont na criação do avião.
   Como peça de museu, uma notícia que remonta à nostalgia. A máquina de escrever volta inclusive a fazer parte do serviço secreto de vários países europeus. Depois do vazamento das informações pelo Wikileaks, Rússia e Alemanha gastaram fortunas para comprar as máquinas de escrever para seus agentes. Acreditam que o mundo off line é mais seguro que a aldeia globalizada perpetuada por George Orwell e Marshall McLhuan.
   Isso me faz sentir mais moderno e pouco antiquado .... 

(Artigo publicado no Jornal de Piracicaba de 11 de março de 2016)