Páginas

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Selo dos 250 anos



   O prefeito Barjas Negri apresentou em abril o logotipo oficial para as comemorações do aniversário de 250 anos de Piracicaba. O trabalho escolhido foi o do publicitário Fábio Grecchi, após votação dos integrantes de comissão criada para as festividades da cidade.

   O concurso, promovido pela Prefeitura, recebeu pela internet 22 trabalhos de publicitários de Piracicaba e de outras cidades da região, como Campinas.

   De acordo com o prefeito Barjas Negri, a programação do aniversário será extensa e ainda brincou que o mês de agosto deveria ter 40 dias para caber toda a programação. "Mas isso é bom, isso significa que as pessoas estão participando. Eu tenho certeza que teremos bons eventos, bons lançamentos de livros, bons debates e que nós teremos a melhor programação de 250 anos". Barjas ainda frisou que espera que a imprensa divulgue bem e que o logotipo pode ser utilizado por quem quiser nas suas comunicações e papelarias.

   Para a escolha, foram apresentados os trabalhos (sem qualquer identificação) e foi feita uma primeira votação. Dos 22, restaram seis propostas. Em seguida, em nova votação, foram escolhidos três e, com 16 votos, acabou sendo escolhido o logotipo do publicitário Fábio Grecchi.

   O logotipo criado pelo publicitário Fábio Grecchi buscou inspiração nas belezas que as pessoas, tanto os piracicabanos quanto os turistas, veem na região da Rua do Porto, um dos principais cartões-postais de Piracicaba. "Juntei os elementos Engenho Central, peixe e rio à cana-de-açúcar, para ressaltar tantos as belezas naturais quanto lembrar o desenvolvimento da cidade, por meio do agronegócio", explicou Grecchi.

terça-feira, 30 de maio de 2017

Homenagem SESI 1963


Registro fotográfico de 1º de maio de 1963, dia do trabalhador daquele ano. O diretor do SESI de Piracicaba Prof. Rubens Oscar Guelli junto com a assistente social Maria Stella de Morais Aguiar entregam o troféu do SESI para o Presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria de Alimentação de Piracicaba, Vereador Silvio de Cillos. Contribuição enviada pelo leitor Milton Augusto Guelli.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Ponte Irmãos Rebouças



   A Ponte Irmãos Rebouças, mais conhecida por Ponte do Mirante, foi criada na intenção de ligar uma linha férrea de Piracicaba a Limeira. Ela foi inaugurada em 15 de maio de 1875, sendo a primeira ponte de concreto armado do país.
   Os responsáveis pela obra foram os irmãos Rebouças, por isso esta denominação. Eram dois os irmãos: Antonio Pereira Rebouças Filho (1839-1874) e André Pinto Rebouças (1839-1874). Eram negros e tiveram a chance de viajar para a Europa onde se aperfeiçoaram em engenharia civil. Foram dois desbravadores na época, já que havia grande preconceito com relação aos negros escravos e seus descendentes. 
   Na época Piracicaba contava com 8 mil habitantes e "5.400 escravos". Existia uma ponte que ligava o Centro a Vila Rezende, situada na mesma localidade onde está a ponte. Porém, ela era de madeira e necessitava constantemente de reparo devido ao aumento da vazão do Rio Piracicaba.
   Várias empresas de trem estudaram o prolongamento da linha férrea de Piracicaba levando-a a Limeira. As Companhias Paulista, Ituana, Sorocabana e Mogiana iniciam uma disputa que foi saudável para a evolução da cidade. A Paulista contratou Antonio Rebouças para a direção técnica da obra. Os serviços foram iniciados mas ele não vê a conclusão da obra, já que falece em 24 de março de 1874, aos 34 anos, devido à malária.
   A ponte foi finalizada em 15 de maio de 1875 mas sua efetiva utilização ocorre dois anos depois. A Companhia Paulista desiste da ideia e quem passa a explorar sua utilização é a Ituana que acaba fundida com a Companhia União Sorocabana cuja estação situava-se onde encontra-se hoje o Terminal Central de Integração. 
   Os trens circulavam pelo lado direito da ponte sentido Centro-Vila Rezende. Partiam para onde está a avenida Juscelino Kubistchek de Oliveira e partiam para Ártemis. Circularam até 1971 quando o prefeito Adilson Benedito Maluf aproveita a estrutura e faz uma ponte de concreto para veículos. 

sábado, 13 de maio de 2017

Da época em que professores usavam gravatas ...



Foto muito antiga. Mais precisamente do ano de 1944, numa época em que os professores usavam terno e gravata para lecionar aula ! Esta foi tirada na Escola Normal Oficial de Piracicaba, hoje Escola Sud Mennucci. As professorandas juntas à Jethro Vaz de Toledo, Belmudes e Ademar. À esquerda, em pé, Zilda Giordano V. de França (também aluna de Thales Castanho de Andrade), mãe da escritora Ivana Negri França que nos brindou com este registro fotográfico.